igreja cristã maranata – Durante anos a fio tivemos uma disciplina sobre seitas no manacaim. Testemunhas de Jeová, Adventistas do 7º dia, Mórmons e Espíritas eram os mais criticados e recebíamos apostilas sobre as doutrinas de cada uma

Durante anos a fio tivemos uma disciplina sobre seitas no manacaim. Testemunhas de Jeová, Adventistas do 7º dia, Mórmons e Espíritas eram os mais criticados e recebíamos apostilas sobre as doutrinas de cada uma, com explicações detalhadas: fundadores, doutrinas, atuações, histórico, etc.

Havia outra disciplina sobre religiões comparadas, onde, através de apostilas também criticavam as outras igrejas evangélicas: batistas, assembleianos, luteranos, Deus é amor, presbiterianos, etc. Ninguém prestava era o ensinamento divulgado. Só a “obra revelada”. Depois que saí, queimei todo esse material para evitar que outras pessoas fossem contaminadas por este ensino perverso e maligno.

O mais interessante é que por falarem tão mal das igrejas eles conseguiram fazer pior que todas, o que de pior há em todas as religiões, que é roubar dízimos, ser uma seita sem sombra de dúvida, rogar praga aos que saíram, não se arrependerem de nada, caluniarem os que denunciaram os crimes, distribuirem cargos igual ao vaticano, idolatrarem os “pastores infalíveis”, se associarem com a pior classe do país, os políticos, continuarem emitindo notas frias, acobertando adúlteros e discriminando pessoas.

E por falar em discriminação, lembro da história de um irmão que foi diácono ainda solteiro. Após alguns anos na igreja local, foi colocado em uma igreja pequena para treinamento e possível “unção”. Ali ficou por 18 meses e então enviaram outro obreiro que acabara de ser “ungido”. A comissão do pólo, com a sabedoria que Deus não deu, ao invés de tirar o diácono, deixou os dois juntos. Ocorre que o sujeito era wysky, uisquisito.

Não falava direito com os irmãos, tratava as pessoas com frieza e por isso a igreja o rejeitou. Mas lembrem-se: não toqueis nos meus “ungidos”. Por mais que o diácono avisasse o pastor responsável sobre o esvaziamento da igreja, ele só respondia: mas ele é “ungido”. Assim foi durante um tempo, até o “ungido” parar de falar com esse diácono e o mesmo pedir para voltar para sua igreja anterior. Ali acabou a “carreira” desse irmão diácono.

Ficou suspenso muitos anos sem saber qual foi o seu “pecado”. Hoje ele sabe, pois nessa igreja, onde abundou um dia a Graça, superabundou o pecado.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/11/muita-coisa-esta-errada-dentro-desta-igreja/#comment-16089

Sobre cavaleiroveloz

Porque, se tomarmos parte no sofrimento de Cristo, também tomaremos parte na Sua glória
Esse post foi publicado em Testemunhos de obreiros, servos, pastores, diaconos e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s