NOTA À IMPRENSA

“Buscando atender à crescente demanda de informações quanto aos fatos relacionados às supostas irregularidades no âmbito da Igreja Cristã Maranata, primando pela lisura, transparência e resguardo dos atos investigatórios, o Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio do Grupo Especial de Proteção à Ordem Tributária (GETPOT) e do Grupo Especial de Trabalho Investigativo (GETI), após diligências e ações preliminares que apuraram indícios de autoria e materialidade de diversos delitos, informa que instaurou o Procedimento Investigatório Criminal – PIC n. 005/2012 no dia 08/03/2012, com o objetivo de investigar, identificar e especificar condutas de membros da Igreja Cristã Maranata, supostamente integrantes de uma organização criminosa especializada e responsável por crimes de estelionato e outras fraudes, bem como crimes contra a fé pública, ordem tributária e lavagem de dinheiro, ludibriando fiéis com o desvio de numerários oferecidos para determinadas finalidades ligadas à Igreja em proveito próprio e de terceiros, pessoas físicas e jurídicas (compostas por interpostas pessoas) vinculadas à quadrilha. Informa ainda que foi decretada a restrição e limitação de acesso a determinados documentos e informações constantes do procedimento e a publicidade de seus atos de instrução, visando resguardar a identidade de terceiros e a eficácia de diligências investigativas. O procedimento deverá ser concluído em 90 (noventa) dias, podendo ser prorrogado por decisão fundamentada em caso de necessidade.” http://www.mpes.gov.br/conteudo/interna/ver_noticia_evento.asp?cod_noticia_evento=2704&tipo=1

Ao fim desta jornada de quarenta anos a iniqüidade transbordou aos olhos da Sociedade, onde o NOME DO SENHOR está sendo blasfemado (cf. Rm. 2.24). Não se enganem: o dono da sapataria prometeu ilusões e meias verdades; por isso o o clamor é notório e público. Quando devia esclarecer, ameaça e arma esquemas de autodefesa; confunde, despista e foge à responsabilidade… e não satisfeito ingessa com demandas no Judiciário em defesa da “imagem da Obra”.

Com ardilosos comandos da linguagem do não-pensamento (LNP) o olhar caolho do construtor de heresias determinou o estilo do formatado ideologicamente manipulável: o servo devedor da Obra (expressão que esconde o fanático instigado pelo ódio religioso e potencialmente perigoso). Doentes de esquizofrenia religiosa no beco sem saída. Não se iludam: Benícios e Benícias custam a entender que a falsa unçãodestrói e mata. Ora, os meias-solas nasceram do nebuloso pandulho do palácio da rainha desfigurada (PRD). Terrível!

Matérias publicadas em A GAZETA – ES:

Pastor usou ‘visão’ para justificar desvio
Envolvido em compras foi preso pela federal
R$ 1,8 milhão doados por deputados à igreja
Igreja contratou sobrinho de presidente
Maranata: “uma igreja que surgiu da luta pelo poder”
Maranata pagou R$ 941 mil em materiais nunca entregues
Milhões arrecadados e livres de fiscalização
Maranata: líder da igreja é investigado

Suspeita de crimes federais serão investigados

Que OBRA MARAVILHOSA!!!

NOTA:

Atualização em 26.11.2012

Operação cumpre mandados para apurar desvios de doações da Igreja Maranata

Foi determinada a quebra dos sigilos fiscal e bancário dos envolvidos e o sequestro de bens

Notícia Anterior

Próxima Notícia

Foto: Carlos Alberto da Silva

Carlos Alberto da Silva

Grupo que atua na Igreja é investigado por desvio de recursos de doações de dízimos em proveito particular e de terceiros, valendo-se de falsificações, ocultação e dissimulação de bens e valores

Uma operação do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), com apoio da Polícia Militar, cumpre 12 mandados de busca e apreensão na manhã desta segunda-feira (26) com o objetivo de desarticular e colher provas relativas à suposta atuação de uma organização criminosa que opera na Igreja Cristã Maranata.
Segundo o MPES, o grupo é investigado por desvio de recursos de doações de dízimos em proveito particular e de terceiros, valendo-se de falsificações, ocultação e dissimulação de bens e valores.
Além do cumprimentos dos mandados, a operação, denominada “Entre Irmãos”, também prevê a efetivação de ordens judiciais de afastamento e impedimento de acesso de toda a direção das áreas administrativas da Maranata, possibilitando o trabalho do Ministério Público livre de obstáculos e ingerência dos eventuais envolvidos, sem impedir o livre exercício do culto religioso, o comando espiritual e o acesso aos templos.

Foto: Tiago Félix

Tiago Félix

Policiais do BME na Fundação Manoel dos Passos Barros, que pertence à igreja

Também por ordem judicial, foi determinada a quebra dos sigilos fiscal e bancário dos envolvidos e o sequestro de bens, ativos e valores supostamente desviados, visando ao resguardo e restituição à Igreja e aos cofres públicos.
As investigações, que tiveram início em fevereiro deste ano, colheram provas e indícios do envolvimento de membros da cúpula da Igreja que, através de pagamentos justificados por notas fiscais ilícitas e sem lastro, emitidas por fornecedores participantes do esquema, promoviam a saída irregular de caixa e de recursos da Maranata, formando uma contabilidade paralela e atendendo interesses contrários à maioria dos membros, à vocação religiosa e às disposições estatuárias da Igreja.
Da mesma forma, há suspeitas de uma série de outras irregularidades, que vão desde a utilização de policiais para guarda e segurança de membros e templos da Maranata, à contratação de serviços superfaturados e desvios de emendas parlamentares destinadas à fundação vinculada à Igreja.
Ao todo, quatro membros do Ministério Público e 72 Policiais Militares auxiliam nos trabalhos e, a partir da agora, vão analisar conjuntamente documentos, computadores, dados e depoimentos de investigados e testemunhas que serão colhidos nos próximos meses.
Os crimes investigados estão previstos nos artigos 171, 288, 299, 332 todos do Código Penal e nos artigos 2º da Lei n. 9.613/1998.

Fonte: Da Redação Multimídia

Sobre cavaleiroveloz

Porque, se tomarmos parte no sofrimento de Cristo, também tomaremos parte na Sua glória
Esse post foi publicado em Acorda, Maranata!, Artigos diversos, Denunciar é preciso, Destruindo maldições. Bookmark o link permanente.